Bem vindos ao mundoquadrinhos


NESTE BLOG, VOCÊ ENCONTRARÁ CRIADORES DE HQs DO BRASIL E DO MUNDO.
Para contato com o desenhista: ayresbr@hotmail.com

sábado, 24 de abril de 2010

EBAL - O CRIADOR DA EDITORA BRASIL AMERICA LTDA






ADOLFO AIZEN


Quadrinhos -
O nome dele era Adolfo Aizen
Jornalista Externo

ESTA INFORMAÇÃO RETIREI DO SITE:
PARANÁ ONLINE
http://www.parana-online.com.br/editoria/almanaque/news/43617/?noticia=QUADRINHOS+O+NOME+DELE+ERA+ADOLFO+AIZEN

Se você é fã de quadrinhos, admira e coleciona gibis, lembre-se sempre deste nome: Adolfo Aizen. Ele foi o responsável por tudo isso. Era um jornalista baiano (de Juazeiro), radicado no Rio de Janeiro, com uma visão extraordinária e o espírito empreendedor dos grandes homens. Fez muito pela cultura nacional, não apenas por haver povoado a imaginação infantil de gerações de brasileiros, mas, sobretudo, por haver levado ensinamento aos jovens, incentivando o aprendizado da nossa história, tradição, arte e literatura, e semeado o conhecimento em centenas de publicações, por mais de meio século. O Brasil deve muito a Adolfo Aizen e não pode se esquecer disso.

Foi Adolfo Aizen quem trouxe os quadrinhos para o Brasil; foi o primeiro que aqui publicou os mais populares heróis de papel, como Flash Gordon, Tarzan, Príncipe Valente, Mandrake, Pato Donald e Mickey, Super-Homem, Batman, Zorro, Homem-Aranha e tantos e tantos outros; foi o responsável pela quadrinização dos maiores clássicos da literatura brasileira; foi quem primeiro editou a Bíblia, a História do Brasil, e a vida de grandes vultos em quadrinhos; foi ele quem descobriu e projetou jovens artistas e abriu a picada para a vitoriosa caminhada das HQs nacionais.

A grande aventura

Até o início dos anos 30 do século passado, a garotada contava apenas com uma publicação periódica: O Tico-Tico, fundada em 1905 e editada pelo semanário O Malho, cujo forte eram as traduções e adaptações da revista francesa Belles Images ou páginas dominicais de jornais norte-americanos. De resto, o imaginário infanto-juvenil era apenas povoado pelas novelas do rádio ou pelas matinês dos cinemas.

Adolfo Aizen era o redator-chefe de O Malho e de O Tico-Tico. Em 1933, a convite do Comitê de Imprensa do Touring Club do Brasil, viajou aos Estados Unidos. Ali, visitou as redações dos principais jornais. No Daily News, do Grupo Hearst, conheceu o King Features Syndicate, o maior distribuidor de tiras em quadrinhos do mundo e ficou encantado com a novidade. Segundo suas próprias palavras:

- Chegando lá, encontrei Flash Gordon em grande forma e logo me ocorreu a idéia de publicar as suas histórias no Brasil. De volta, procurei o Luís Peixoto e lhe pedi para que me levasse ao João Alberto, dono do jornal A Nação.

Segundo o filho Naumim, Adolfo, na verdade, antes procurara Roberto Marinho, redator-chefe de O Globo, oferendo-lhe sociedade no empreendimento, mas recebeu uma resposta desalentadora:

- Ora, Aizen, isso é história para crianças!

Resultado: em 14 de março de 1934, A Nação trouxe encartado um Suplemento Infantil, editado pelo Grande Consórcio de Suplementos Nacionais, com periodicidade semanal e um monte de defeitos. As duas cores na capa apresentavam chapadas mal cobertas e o vacilo dos primeiros passos era evidente. Entretanto, já o primeiro número estampou capa de J. Carlos (José Carlos de Brito e Cunha, 1884-1950), que viria a ser o maior ilustrador da América Latina. Na última página, Os Exploradores da Atlântida ou As Aventuras de Roberto Sorocaba, de A. Monteiro Filho, considerada a primeira HQ brasileira com a técnica então usada nos EUA.

A garotada adorou e o sucesso foi enorme, apesar das deficiências. Tanto que, a partir do n.º 15, o SI virou Suplemento Juvenil, desligando-se de A Nação para seguir carreira própria. Em 1937, ganhou um "irmãozinho": Mirim.

O curioso é que isso tudo custou muito pouco a Adolfo Aizen, em termos de direitos autorais. Explica-se: como, até então, nenhum jornal brasileiro mostrara interesse na publicação de historietas em quadrinhos, ainda mais em capítulos, o material ficara abandonado nos escritórios do representante do King Features no Brasil. Este, então, ofereceu-o de brinde a Adolfo, desde que ele passasse a comprar a produção nova. Quer dizer: Aizen não apenas conquistou o direito de publicar no País os melhores quadrinhos norte-americanos, como ainda ganhou de presente o estoque de mais de um ano.

Pelo Suplemento passaram, entre outros, Flash Gordon, Buck Rogers, Brick Bradford, Mandrake, Jim das Selvas, Dick Tracy, Tarzan, Príncipe Valente, Terry e os Piratas, Sobrinhos do Capitão, Reizinho, Popeye, Pinduca e Mutt & Jeff.

Além de J. Carlos e Monteiro Filho, vários foram os desenhistas que se iniciaram no Suplemento e em Mirim: Queiroz, Theo, Santa Rosa, Yantok, Tarsila do Amaral, Antônio Euzébio, Carlos Thiré, Belford, Fernando Dias da Silva e Gutemberg Monteiro.

"O Suplemento Juvenil foi o primeiro marco na história da imprensa de quadrinhos no Brasil, em bases criativas, menos amadorísticas do que O Ju-quinha, O Cômico Infantil e O Tico-Tico" - registraria o jornalista Sérgio Augusto, o primeiro crítico de gibis do país, emendando: "Foi com o aparecimento do Suplemento Juvenil que surgiram os suplementos coloridos dos jornais, as tiras diárias e uma indústria, de cujos méritos destaco dois: a luta contra o analfabetismo e a criação de novas oportunidades no campo jornalístico".

Futuro império ataca

Estranhamente, em meados de 1939, o King Feature Syndicate deixou de renovar o contrato com Adolfo Aizen, preferindo entregá-lo a O Globo. E os principais personagens do Suplemento Juvenil e de Mirim transferiram-se para O Globo Juvenil e Gibi. Até hoje essa história não foi bem esclarecida. É sabido, porém, que Aizen recebeu uma rasteira de Roberto Marinho. Sabe-se, também, que isso magoou profundamente o editor. Contudo, não foi capaz de afetar-lhe o caráter. Tanto é que ele, como satisfação a seus leitores, fez questão de encerrar a publicação do capítulo de Flash Gordon no Suplemento com o seguinte aviso: A continuação desta história sairá no "Globo Juvenil".

Naumim Aizen revela, em Literatura em Quadrinhos no Brasil (Nova Fronteira, 2002), que, quando o novo gênero de leitura começou a fazer sucesso, Roberto Marinho propôs a seu pai efetivarem aquela sociedade que antes descartara. Aí foi a vez de Adolfo Aizen recusar a proposta. Marinho, então, teria terminado a conversa com uma advertência:

- Você vai se arrepender!

D’O Lobinho à EBAL

O Suplemento Juvenil e Mirim ainda durariam seis meses, mas a perda dos principais heróis tornaram a situação insustentável. Acresceu o fato de que era tempo de guerra e começou a faltar papel de imprensa. A Adolfo Aizen não restou alternativa senão vender o controle do consórcio para a editora A Noite. A empresa tinha Lobinho e Aizen foi convidado para dirigi-la. Era maio de 1940. Ele acrescentou um "O" ao título da revista, que passou a chamar-se O Lobinho, e reiniciou a numeração.

Em 18 de maio de 1945, em meio à euforia geral pelo término da guerra, Adolfo Aizen viu que estava na hora de ter a sua própria casa e fundou a Editora Brasil-América Ltda., a EBAL, então sediada na Av. Rio Branco, no Centro do Rio. A princípio, tentou mudar de linha e se dedicou à edição de livros; depois, lançou a revista Seleções Coloridas, impressa na Argentina, com os personagens de Walt Disney. Mas o resultado não foi o esperado. Em 1947, voltou definitivamente aos quadrinhos e lançou a primeira revista brasileira com aventuras completas: O Herói, impressa em rotogravura na Imprensa Nacional. Em seguida, vêm Superman, Idílio, Edição Maravilhosa e Epopéia. Em 1953, Aizen edita, em edição de luxo, A Bíblia.

A essa altura, a EBAL já conta com sede e oficinas próprias, no bairro de São Cristóvão, na então Rua Abílio (depois, General Almério de Moura). E novos lançamentos vão se sucedendo: Aí, Mocinho!, Tarzan, Mindinho, Reis do Faroeste, Quem Foi? Zorro, Super X, Pequenina, Batman, Ciência em Quadrinhos, Série Sagrada, Roy Rogers, Popeye, Pinduca, Cinemin...

Em 1957, começa a série Grandes Figuras, com a quadrinização da biografia de brasileiros ilustres, como Machado de Assis, Rondon, Osvaldo Cruz, Santos Dumont, José Bonifácio e outros. Dois anos depois, sai a coleção Biografias em Quadrinhos, focalizando, entre outros, Colombo, Marconi, Maria Curie e Chopin. Paralelamente, edita o primeiro volume de História do Brasil em Quadrinhos, sempre com texto e ilustrações de autores e artistas nacionais.

Houve meses em que a Brasil-América chegou a colocar no mercado cinqüenta revistas diferentes.

Clássicos ilustrados

Mas a maior obra de Adolfo Aizen talvez tenha sido a publicação dos grandes clássicos da literatura mundial e, especialmente, a quadrinização de romances brasileiros. Foram duzentos títulos, alguns com inúmeras reedições, por meio dos quais a criançada tomou conhecimento de José de Alencar, Joaquim Manuel de Macedo, Bernardo Guimarães, José Lins do Rego, Gilberto Freire e Jorge Amado. Pedro Anísio assinou a maioria das adaptações, cabendo a André Le Blanc, José Geraldo, Gutemberg Monteiro, Manuel Victor Filho, Ivan Washt Rodrigues, Aylton Thomaz, Ramón Llampayas, Nico Rocco e Eugênio Colonnese os desenhos.

Ao prefaciar a adaptação de Menino de Engenho, para o centésimo número de Edição Maravilhosa, José Lins do Rego confessou:

"Leio o meu próprio romance (...), com figuras que Le Blanc idealizou o chego a me emocionar como se estivesse num universo alheio à minha criação. Sinto que a história pula das páginas com um vigor extraordinário. A caracterização que o ilustrador impôs à narrativa tem mesmo coração e alma (...)".

Para a versão de Gabriela, Cravo e Canela, Jorge Amado escreveu:

"Há muita gente que tem preconceitos contra as histórias em quadrinhos e algumas me aconselham a não permitir tal adaptação. (...) Estou plenamente satisfeito com essas adaptações e penso que elas só têm feito aumentar o público de meus livros".

Ao final de cada edição, Aizen fazia questão de enviar um recado para o leitor:

"Se você gostou, procure ler o próprio livro, adquirindo-o em qualquer livraria. E organize a sua biblioteca - que uma boa biblioteca é sinal de cultura e bom gosto".

A revista durou até o n.º 200 (dezembro de 1961), com Pedra Bonita, de José Lins do Rego, capa e desenhos de Manuel Victor Filho.

Nosso herói-maior

Estive uma vez na Rua Gen. Almério de Moura, 302/320, o "Reino Encantado das Histórias-em-Quadrinhos". Adolfo Aizen, em pessoa, recebeu-me com a mesma atenção e carinho com que recebia centenas de caravanas de jovens alunos de escolas cariocas e fluminenses. Era uma pessoa encantadora. Apresentou-me a seus diretores, os filhos Paulo Adolfo e Naumin e Fernando Albagli. E levou-me a conhecer toda a editora, das salas de produção às oficinas e seções de acabamento e expedição, ciceroneado pelo jovem estagiário Otacílio d’Assunção Barros, que viria a se tornar cartunista e editor de quadrinhos, entre eles a edição nacional de Mad.

O velho editor tinha muito orgulho da sua EBAL, que, por mais de três décadas, foi a maior editora do continente a publicar exclusivamente quadrinhos. "Construída com trabalho, amor, abnegação e fé" -como fazia questão de dizer.

Em 1984, a EBAL não renovou o contrato com a DC Comics e intensificou a produção de livros infantis. As HQs completavam 50 anos de publicação no Brasil, mas as vendas não recomendavam novos investimentos no setor por parte da Editora Brasil-América brava de guerra. E os super-heróis foram "sentar praça" na Abril, de São Paulo. Jamais voltariam, porém, a registrar tiragens de mais de 100 mil exemplares, como nas décadas de 50 e 60.

Adolfo Aizen faleceu a 10 de maio de 1991, um mês antes de completar 84 anos. E embora tenha sido agraciado com inúmeros troféus, entre os quais o Prêmio Yellow Kid - Uma Vida Dedicada aos Quadrinhos (Lucca, Itália, 1975), ainda está por receber a homenagem que merece do Brasil.

Resta parodiar o velho mestre: este foi apenas um aperitivo. Se você gostou, leitor, procure conhecer toda a obra de Adolfo Aizen e faça dela um exemplo.

4 comentários:

Anônimo disse...

Sr. ayres desejaria lhe enviar um trabalho recebido pscograficamente onde o personagem sofreu um coma PROFUNDO E NO aSTRAL RECEBE A MISSÃO DE TORNAR-SE o Justiceiro das Almas para fazer justiça aos assassinados que seus assassinos não receberão punição aqui na terra para isso ele terá dus jornadas acordado ele é escritor ao dormir ele veste uma capa que lhe permite interagir nas 4 dimensões do universo tenho uma sinopse e uma estoria que poderá transformar em seriados semanais meu e-mail é jorgep.castro@hotmail.com obrigado

João Luis Calliari Poesias disse...

Estava procurando informações sobre os gibis que eu lia na minha infância
"Os sobrinhos do capitão". Fiquei encnatado com isto aqui. João Luis

Fatima L. Andrade Miller disse...

Minha família morava em São Cristóvão e fui princesa da EBAL.Acho que em 1960.Eu era bebê.Ainda tenho a carteirinha.Sempre recebia revistas da EBAL.

Fatima L. Andrade Miller disse...

Minha família morava em São Cristóvão e fui princesa da EBAL.Acho que em 1960.Eu era bebê.Ainda tenho a carteirinha.Sempre recebia revistas da EBAL.

eXTReMe Tracker